BIM e ESG: como podem revolucionar a sustentabilidade na arquitetura

Cada vez mais, grandes empresas trabalham para se inserir no mercado de uma forma mais sustentável e consciente, inclusive, para gerar mais sustentabilidade na arquitetura. Alguns métodos são utilizados para chegar a esse patamar ambientalista, e o melhor jeito para alcançar essa meta é por meio do BIM e da ESG.

O que é arquitetura sustentável?

A sustentabilidade na arquitetura é uma forma menos invasiva de realizar a construção, fazendo com que a natureza faça parte do projeto ao invés de excluí-la – o que, consequentemente, reduz os impactos ambientais.

Na arquitetura sustentável, não somente há a preservação da natureza, como também há a utilização de placas solares para energia, utilização de materiais recicláveis e tijolos ecológicos, prevenindo a degradação ambiental que é causada por infraestruturas.

Além da utilização consciente de matéria-prima, energia, água e terra, a sustentabilidade na arquitetura visa melhorar a qualidade de projetos antigos ao invés de construir vários novos, o que acarreta a redução de mais danos à natureza.

Ela também acaba sendo mais rentável, diminuindo custos da operação e fazendo com que a energia incorporada à construção de determinado edifício valha a pena, porque estará, basicamente, “reciclando” e renovando o ambiente antigo, tornando-o mais atrativo e valorizado.

Qual é a importância do BIM e da ESG para projetos mais sustentáveis?

Para incorporar a sustentabilidade na arquitetura, é possível utilizar os métodos BIM e ESG.

O que é ESG?

Environmental, social and governance (ESG), que significa “Ambiental, social e governança”, tem como finalidade ampliar a boa gestão no mercado financeiro para o âmbito social, ambiental e de gestão empresarial.

A ESG propõe um foco maior na comunicação, inclusão social e cuidados com funcionários da empresa, fornecendo-lhes mais qualidade de vida.

No quesito ambiental, o foco é no trabalho de redução do desmatamento, de danos da empresa nas questões climáticas e de agentes poluentes.

Já no setor de governança, ela aprimora a empresa para uma maior transparência financeira, projetos de lei internos contra corrupção e melhoria na gestão de riscos.

O que é BIM?

Building Information Modeling (BIM), que significa “Modelagem da informação de construção”, é um software que tem como finalidade realizar o histórico de um edifício, melhorando o seu planejamento desde seu desenvolvimento até a sua demolição. Essa ferramenta integra processos, informações, sistemas, organização e pessoas.

Ele pode abranger o histórico completo de cada etapa realizada, a criação do design, análise do projeto, documentação, utilização de materiais, mapa virtual da construção em 3D, logística realizada para a construção, histórico de manutenções até o dia da demolição da construção ou renovação do empreendimento.

Pelo seu nível de importância e auxílio em construções, entrou em vigor a obrigatoriedade de sua utilização em casos de projetos de grande relevância, como para órgãos públicos, por exemplo. Além de gerar mais segurança para a empresa que utilizar o BIM, esse software auxilia na padronização de etapas de processos e operações das infraestruturas, otimizando a gestão.

Como a ESG e o BIM podem contribuir para alavancar a sustentabilidade na arquitetura?

Dentro da arquitetura, a ESG é um método de gestão eficaz, enquanto o BIM é um sistema que organiza e controla essa gestão, facilitando a utilização de materiais sustentáveis e ciclos dos projetos, já que realizam uma padronização de ações.

Como o BIM é uma plataforma que define quantidades e processos, com ele, é possível aferir materiais de forma mais precisa, reduzindo gastos ineficientes da empresa e desperdício, realizando contratos mais legíveis entre si, o que acaba sendo vinculado à ESG.

O BIM também realiza cálculos mais certeiros quando se trata do volume de água necessária para a construção que será projetada, possibilitando a medição da quantidade de água que pode ser reutilizada.

Esse software, se unido a outros, gera uma otimização de informações, como um de modelagem de energia faz com que obtenha resultados do desempenho energético de uma construção. Esse procedimento pode ser utilizado também para medição de carbono, fazendo com que haja dados para redução de carbono durante o processo de construção.

A ESG participa de todo o processo de utilização do BIM na arquitetura sustentável, pois é a parte geral de gestão empresarial que inclui a ferramenta para reduzir custos e impacto ambiental, viabilizando, também, um capitalismo consciente, por exemplo, com a renovação de projetos antigos.

A Plantar Ideias trabalha com diferentes escalas do design de forma sustentável. Navegue pelo site da Plantar Ideias para entender mais sobre como criar e promover arquitetura sustentável.

BIM e ESG: sustentabilidade na arquitetura
EN | PT