Como adotar projetos sustentáveis para grandes cidades?

Atualmente, nas grandes cidades, os deslocamentos e a dinâmica de urgência do trabalho têm sido determinantes para a qualidade de vida dos habitantes, e momentos como a atual situação de pandemia da covid-19 ficam latentes, explicitando como esse movimento consome o tempo que cada um possui e reduz a possibilidade do ser humano dedicar-se às coisas mais importantes de sua vida e às coisas de que mais gosta, como estar com a família, cuidar de sua saúde, praticar hobbies, entre outras atividades.

A configuração do território urbano é determinante para a conformação do padrão de como as pessoas se relacionam com a cidade, como circulamos, as atividades que fazemos, padrões de vizinhança, tudo o que temos em um bairro com o qual nos relacionamos, sendo corresponsáveis por moldar comportamentos dos habitantes.

Neste sentido, repensar o padrão de vizinhança é um elemento determinante para uma cidade mais sustentável, com a redução dos deslocamentos e, consequentemente, com a melhora da qualidade de vida e qualidade ambiental.

O estabelecimento de um padrão de vizinhança que permita ao morador permanecer fisicamente mais próximo ao local onde vive e conectar-se mais com esse espaço é uma solução ao correto uso dos recursos naturais e humanos.

Na configuração desse padrão, a mudança de relação se traduz em criar empregos próximos às residências, incentivar o comércio de vizinhança, propiciar o uso misto das edificações, desenvolver ruas e espaços públicos destinados ao pedestre, encorajar o uso da bicicleta e do transporte público para os deslocamentos diários e necessidades do dia a dia, reduzir o tempo de deslocamento aos destinos desejados e reduzir o uso de veículos privados de forma geral. É fundamental construir um urbanismo sustentável ligado a uma visão humanista da sociedade.

Como resultado das propostas de urbanismo sustentável, objetiva-se diminuir os gastos de recursos de energia, melhorar a qualidade do ar, reduzir os gastos de recursos naturais de forma geral e beneficiar um dos principais recursos humanos: o tempo. Desse modo, obtém-se uma cidade mais humana para se viver.

Cidades sustentáveis são, portanto, aquelas que preveem, desde seu planejamento, uma série de diretrizes que melhoram a vida das pessoas e conservam o meio ambiente, entendendo que o ser humano faz parte da natureza.

É fundamental realizar projetos sustentáveis e buscar transformações nas cidades para garantir o futuro, sendo necessário:

  • Uso mais diversificado no território, ampliando as oportunidades e alternativas de morar;
  • Estimular espaços para pessoas, convívio ao ar livre, que geram o sentimento de pertencimento;
  • Preservar espaços abertos, de beleza natural e ambientalmente críticos;
  • Prover variedade de opções de transporte e fortalecer o sistema de transporte público;
  • Proporcionar a colaboração da comunidade e de outros grupos interessados na tomada de decisões sobre o desenvolvimento do território.

Além de propostas muito bem embasadas e com conceitos mais modernos de ocupação e estímulo, é fundamental que haja força política para a implantação de propostas mais sustentáveis para as cidades, pois são necessários alguns processos de disrupção de processos políticos e econômicos que vêm sendo construídos há décadas na formatação dos centros urbanos. É preciso, também, incentivos econômicos, com políticas não somente para investidores, mas também para fomentar a ocupação do território por instituições, comunidades e cidadãos.

Acesse esse link sobre parques naturais e arquitetura urbana, e saiba mais sobre os projetos desenvolvidos pela Plantar Ideias!

EN | PT
error: Content is protected !!